segunda-feira, 24 de setembro de 2012

vazio

O que é viver?  Esta pergunta tem-me afectado o pensamento de uma maneira que tão cedo nao pensei que fosse afectar. Somos obrigados todos os dias a um novo desafio independentemente se estamos ou não preparados para isso... Já não sei viver e isso é um facto! A multidão assusta-me, os olhares inseguram-me, as conversas paralelas afectam-me. Sinto que pertenço a todo o lado e a lado nenhum... Tenho saudades da Soraia de Outrora. Essa ninguem afectava, nada temia e tudo dizia. Fui embalado num turbilhão de problemas e não tenho capacidade de sobreviver a nenhum. Sei que não existe solução para isto a não ser força de vontade mas até essa se desvaneceu... já não me reconheço.
Se o amanhã me traz mais problemas eu nao conseguirei aguenta-los. Sinto-me sozinha no meio da multidao e ouço barulho no silencio. Sinto que ja nao pertenço aqui... apetece-me pegar nas malas, por uma meia duzia de coisas e voar daqui... dos problemas, dos afastamentos, das tristezas, das desilusoes, do barulho silencioso, da multidao barulhenta... estou cansada disto.
Eu não aguento mais. Sinto-me destruida. E nada ajuda.


sexto sentido ou não... sinto que as coisas ainda vão piorar. Afinal á dois anos para cá que só pioram.



SoraiaMontes

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

saudade.


Cá estou passados uns 4 meses desde a ultima mensagem... Muita coisa tem acontecido desde então, ja sofri bastante e já vivi tantos momentos de alegria, de felicidade extrema que é impossivel descreve-los. Sinto a tua falta e sei que tu sabes disso, quem mais poderia saber se nao tu... tu que me entendias melhor que ninguem, que no meu olhar vias o reflexo da minha alma, que na minha voz ao cantar percebias a dor que sentia, quem melhor que tu para vires com a palavra certa e de reconforto na tempestade. Oh meu amor, as saudades que eu tenho tuas, como é possivel eu ainda nao acreditar que partiste? pensar que um dia me irei deparar contigo a dizer que a nossa filha está grande, que o meu sorriso está luminoso e que o meu olhar está esperançoso. Arrependo-me, sabes? arrependo-me de ter cumprido a promessa que te fiz e nao ir ao teu funeral... acho que assim teria a certeza absoluta que já não cá estás. Custa perceber que os teus irmaos sentem o mesmo, que sentem que nao partiste, porque na verdade nenhum de nós sente isso. Sempre que tenho problemas, que penso nao conseguir alcançar a soluçao aparece o teu p. que me conforta e me mostra que se calhar nao é bem assim e nem tudo é um abismo... ou entao no silencio da madrugada entendo que estás cá, connosco. Porque um Mata nao abandona, um Mata cuida. Já não sou a mesma, tu irias reprovar isso com uma negativa bem redonda e pequenina, irias dizer que nao era isso que querias, que vale a pena lutar mesmo que nao o pareça, mas para quê, meu puto? Tudo o que nos aparece é problemas, sabias que voltei a reprovar, agora, no decimo segundo? Apesar de ter lutado contra tudo e todos para que isso não acontecesse, mas que ninguém acredita porque na verdade o presente mostra fracasso, sabias? Sabias que tenho tido dores insuportaveis e que me sinto mais sozinha que nunca? que o meu p. continua o mesmo, sempre que está comigo é so bocas de que nao valho nada e que so dou desperdicio. Sinto-me um fardo para toda a gente e isso cansa-me, desgasta-me, derrota-me. Tenho saudades tuas. Saudades dos momentos em que nada me derrotava em que tinha "coragem de Leoa" e garra de Mata. Que eufomismo, parece que estou a falar de outra soraia que nao eu. Afastei-me de todos os meus amigos e eles nem sequer se preocuparam com isso, ninguem me procurou, se calhar errei so ainda nao percebi onde, voltei a fechar-me em mim porque o mundo la fora parece assustador: tanta confusao, tantos olhares para enfrentar, tantas pessoas para conhecer e que ja me conhecem... para quê travar uma luta sem arremeços. È... desisti... o mundo la fora parece-me demasiado assustador e cansativo. 
Precisava tanto dos teus conselhos agora, da tua sabedoria de viver, do teu abraço apertado em que me davas um beijo aconchegador na testa como quem dizia num sussurro que é tudo da minha cabeça e tudo vai passar.
 
"A saudade de ti,
tomou conta de mim
e me mata por dentro
esta falta de amor
nunca me abandonou
desde que te perdi
a cor da solidao
pintou o meu coraçao
de magoa e sofrimento
e assim é meu viver nesta dor
sem esquecer quem se
esqueceu de mim"


SoraiaMontes.