quarta-feira, 22 de junho de 2011

Talvez um dia

Não consigo compreender a vida, quer dizer... Não consigo compreender nada. Por vezes começo o dia com uma pacividade tremenda, tento esquecer tudo aquilo que me atormentava, magoava e entristecia na noite anterior, afinal "passado é passado" mas nem sempre ou melhor nunca é facil. Quando o consigo e bem passam horas desde que me levantei e as coisas ainda continuam calmas, a casa está so para mim por enquanto, faço o que quero mas nao tenho o que desejo. Falta-me o meu mundo!
As horas vao passando e ja muita coisa eu fiz, nao com a vontade de outrora mas foram feitas. Chega a minha mae e por vezes os problemas começam. A nossa relaçao é conforme as luas...
Maas quando tudo parece estar bem, algo que de muito mau acontece, ou entao aparecem os pensamentos que atraiçoam a paz, afinal o passado nem sempre fica onde devia.
Pois é, nada é como devia. E isso cansa! preciso de sair deste ambiente, preciso.... preciso que me tirem daqui. preciso de ferias divertidas com amigos, aqui nasce o problema, onde estao os amigos e as autorizaçoes para sair? Continuo aqui, á espera de um milagre, talvez um dia.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

ausencia

As aulas acabaram e agora aproxima-se a passos largos o exame, sim este ano so tenho um. Por isso vou-me entregar inteiramente a ele e espero que seja desta que a concentraçao nao me atraiçoe e consiga finalmente acabar o 11º ano e fisico-quimica. Acreedito que sim. por estas e por outras: Ate breve

segunda-feira, 6 de junho de 2011

It's the life.

Este texto está a custar começar, tenho os pensamentos baralhados, completamente misturados uns com os outros e nao me permitem ter precisao daquilo que quero transmitir.
Ultimamente tenho pensado e repensado a minha vida, num ano muita coisa mudou.
Em Dezembro de 2010, julguei que 2011 seria muito mas muito melhor, teria mais alegria, mais vida, mais amor, deixaria para trás tudo o que aconteceu com a equipa, deixaria para trás o fracassado ano escolar que tive, as discussoes... tudo o que era mau ficaria em 2010 nao transitaria de modo algum para este ano que ainda decorre, mas... a verdade é que tudo aconteceu exactamente o contrario. Tanto isto se transitou como ainda tudo se agravou. Os problemas continuam, a turma sinceramente... não sei qual das duas é a mais desunida, se a do ano passado ou a deste, "perdi" a pessoa que mais amo, apareceram problemas familiares onde nunca tinham surgido, descobrimos que o meu pai tem uma doença que o condiciona bastante, fomos afectados pela crise, como todos os portugueses, deparei-me com mais carga sobre os meus ombros quando ja nem com a que tinha era capaz de carregar.
Porém, sei que existem vidas piores que a minha, existem problemas maiores que os meus e mais dificeis de superar.
Talvez seja isso que me dá a força que necessito, a liberdade mental que tento ter, o poder de nao desatar (sempre) em lagrimas, o poder de um sorriso verdadeiro, um olhar meigo e um abraço sentido. Hoje, e nao só hoje, tenho problemas como todos temos, mas tenho e sei com toda a certeza da minha vivencia que terei, sempre, uma rapariga que apesar de todas as magoas que lhe possa (ja) ter dado, apesar de todas as quedas, todas as palavras nao merecidas que ja leu e ouviu, todo o mimo que devia de ter dado e nao dei, um abraço naquela altura certa que ficou por dar.
Eu sei, sei que estará sempre comigo, ela mo prova em todos os seus gestos, em todo o amor que transmite em cada palavra, eu tudo o que faz por mim.

Hoje digo e direi sempre que tenho a melhor amiga do mundo... Porque apesar de tudo o que eu fiz e deixei por fazer é ela que continua ao meu lado, é ela a unica pessoa com quem eu sei que posso confiar.

Mesmo com as desilusoes, os afastamentos e a frieza que a vida nos faz ter, continuamos unidas e invergaveis... a nossa amizade é imperdivel, é insubstituivel, é inquebravel.
É ACIMA DE TUDO:
NOSSA!


SoraiaMontes
Para sempre, minha menina, para sempre a minha melhor amiga.



Ps: nao consigo comentar o blog de ninguem, não sei o que se passa.




..

quarta-feira, 1 de junho de 2011

deixar de acreditar nao é um objectivo, é uma meta a ultrapassar

Amar é sonhar,
é acreditar num mundo
poderoso mas nao ambicioso.
é realizar quando nao
nos impedem de acreditar,
é viver quando nao podemos sentir
é ser feliz quando a
tristeza está por um triz.
é apoiar e é mostrar
que para sempre vamos amar!

Amigos? ja o disse aqui uma vez que temos poucos, uns passam marcam e fogem quando precisamos deles, outros passam e nem sequer teem intençoes de nos marcar, simplesmente estao de passagem. Somos conduzidos a uma profunda inquietaçao sobre com quem realmente podemos contar. Isso chega-nos a marcar muito na nossa infancia e depois adolescencia, chegando á idade adulta com o receio de que amizades nao existem. Deixamos de acreditar nelas, devido ás profundas marcas que nos fazem! Somos magoados e rejeitados enquanto novos e mais tarde seremos nós a rejeitar e a magoar so porque, simplesmente, deixamos de acreditar.

Hoje ainda sou capaz de dizer, façam o que quiserem mas sei que pelo menos ainda terei duas ou tres pessoas que o tempo pode passar mas nao é esse que nos vai separar. Deixar de acreditar nao é um objectivo é um obstaculo para ultrapassar.




SoraiaMontes.